Reflexão nº 37 – Tudo pode, nada pode: uma questão de ponto de vista

homem_deitado_rua_bracos_abertos_pernas_cruzadas_cabeca_virada

Foto: www.morguefile.com

Tudo pode, nada pode.

É apenas uma questão de ponto de vista.

Não é porque preciso, mas porque tenho direito.

Não é pelo desejo, mas pela vontade.

Não é pelo prazer, mas porque me faz feliz.

Não é por obrigação, mas porque me faz bem.

Não é por imposição, mas porque me comprometi comigo.

Nem tanto pelo corpo, mas porque alimenta a alma e o espírito.

A verdadeira liberdade é a tomada de consciência.

Mentir é, antes de tudo, enganar a si mesmo.

Eu poderia estar matando, eu poderia estar roubando, mas preferi escrever mesmo.

Continuar lendo

Anúncios

Reflexão nº 31 – “A ciência de viver é a arte de amar”

trevo-quatro-folhas-menina-ruiva

Foto: www.morguefile.com

“Sobre este axioma a toda hora haverás de meditar: a ciência de viver é a arte de amar”, Rubem Dario

Espírito: Olá, Alma.

Alma: Olá, Espírito. Como é bom ver você.

Espírito: Senti que queria falar comigo.

Alma: Queria mesmo. Tenho procurado me manter atenta e consciente. Mesmo assim, nem sempre é fácil saber a decisão certa a se tomar, como agir. Isso me trava. Fico com medo de errar.

Espírito: Não dê tanto valor à possibilidade de erro. O mais importante é a real intenção das suas ações. Acredite mais na sua intuição. Realize o que sente que é o certo a se fazer.

Continuar lendo

Reflexão nº 19 – “Nosso pálido ponto azul”

palido-ponto-azul-carl-sagan-imagem-voyager

(…) nossa pretensa importância, a ilusão de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, em meio a toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos, Pálido Ponto Azul, Carl Sagan

No livro “Pálido Ponto Azul” (1994), o ex-cientista Carl Sagan nos coloca diante da nossa “irrelevância” em termos universais e mata qualquer grau de soberba que possa habitar em nós. Mas, ao mesmo tempo em que nos coloca no devido patamar de humildade, a narrativa nos faz pensar sobre o “milagre” da vida na Terra (Ainda não terminei o livro, mas essas são as impressões até o momento).

Somos uma exceção dentro de um vasto universo. A vida em nosso planeta só foi possível graças a uma série de acontecimentos que se sucederam desde o Big Bang. Nossa existência só é possível porque as leis da natureza são exatamente como são.

Continuar lendo