Reflexão nº 55 – A beleza intangível do amor

couple_silhouette

Foto: www.morguefile.com

O amor é, de fato, sereno, seja ele da natureza que for. Ele acalma a alma. Apazigua o espírito.

O amor carrega a felicidade em tamanho de semente que, quando cultivada, cresce exponencialmente até chegar ao infinito.

Continuar lendo

Anúncios

Reflexão nº 19 – “Nosso pálido ponto azul”

palido-ponto-azul-carl-sagan-imagem-voyager

(…) nossa pretensa importância, a ilusão de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, em meio a toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos, Pálido Ponto Azul, Carl Sagan

No livro “Pálido Ponto Azul” (1994), o ex-cientista Carl Sagan nos coloca diante da nossa “irrelevância” em termos universais e mata qualquer grau de soberba que possa habitar em nós. Mas, ao mesmo tempo em que nos coloca no devido patamar de humildade, a narrativa nos faz pensar sobre o “milagre” da vida na Terra (Ainda não terminei o livro, mas essas são as impressões até o momento).

Somos uma exceção dentro de um vasto universo. A vida em nosso planeta só foi possível graças a uma série de acontecimentos que se sucederam desde o Big Bang. Nossa existência só é possível porque as leis da natureza são exatamente como são.

Continuar lendo